20 de abril de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Economia bilionária

Logística pode reduzir riscos bilionários com tecnologia preventiva. Inovações permitem monitorar e controlar os riscos do dia a dia, além de permitir a visualização das movimentações internas e externas de uma empresa, como gerenciamento de terceiros, segurança operacional dos processos e a integridade física das equipes em atividades

Faz parte da rotina logística a gestão de negociações com fornecedores, planejamento de produção, gestão de mercadorias, produção, armazenamento e transportes. Processos que podem envolver detalhes e peculiaridades operacionais, como variedade de itens, intervenções humanas de equipes e turnos diferentes e até mesmo contratações terceirizadas, especialmente quando se fala em transportes e fretamentos.

Dentro deste cenário logístico esse processo longo e, muitas vezes detalhado, pode oferecer alguns riscos ao negócio, que impactam tanto na reputação da empresa como nas finanças. Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Transportes (CNT), conferiu que quando falamos de operação das transportadoras e operadoras logísticas, existem mais de 29 riscos que podem impactar de forma negativa a logística nacional. Segundo uma outra pesquisa realizada pela NTC&Logística (Associação Nacional de transporte de Cargas e Logística), em 2022 somente as cargas roubadas somaram cerca de R$ 1,2 bilhão em todo o país.

O Head de Produto da Senior Sistemas, Silvano Barbosa, afirma que estão entre as principais pautas que preocupam a gestão de riscos no setor logístico, o excesso de tarifas, roubo de cargas, acidentes com equipes de mão de obra, desastres naturais, alterações ou insuficiências nas políticas legais (normativas, tarifárias, fiscais e/ou tributárias), além de instabilidades econômicas e pandemias.

“O setor logístico envolve uma série de operações, atuando em diferentes frentes, desde centros de distribuição, carga e descarga, até a capilaridade de produtos no varejo. Cada empresa tem sua singularidade no modo de operação, mas a pluralidade de sistemas de segurança em diversas atividades relacionadas ao segmento é papel vital, ao pensar em ativos físicos, patrimoniais, cibernéticos e humano.  Por isso, as empresas devem pensar em processos de segurança holísticos e integrados, envolvendo, por exemplo, sistemas de controle de acesso, gestão de rotinas, gestão de portarias e gestão de terceiros”, explica.

Para auxiliar as empresas na gestão preventiva e inteligente dos processos logístico, prevenindo e controlando os eventuais riscos que podem ocorrer no dia a dia, inovações para gestão já podem integrar outros sistemas de forma flexível e garantir o controle automatizado e baseado em dados de ações como apoio de tecnologias como controle de acesso; gestão de rotinas; gestão de portarias e gestão de terceiros.

“Essas tecnologias estão disponíveis no portfólio da Senior Sistemas e viabilizam a criação de checklists personalizados para padronizar e assegurar a precisão em todas as etapas dos processos das operações logísticas, garantindo segurança na execução e monitoramento. Também viabilizamos processos seguros e previsíveis de movimentações, quanto de veículos tanto de pessoas é substancial para a segurança de pátios e armazéns. Além disso, a gestão eficiente da portaria é fundamental para prevenir a entrada não autorizada e garantir a segurança operacional”.

Silvano reforça ainda que, além da segurança básica, ao estabelecer padrões de rotina claros para parceiros terceirizados, a empresa garante a consistência nas práticas de segurança em todas as etapas dos processos logísticos. “Isso envolve auditorias regulares, gestão de documentos, identificação e bloqueio de irregularidades, treinamento conjunto e a implementação de políticas de segurança compartilhadas”.

Acrescentando essa preocupação com riscos em diversos setores empresariais, o Gartner, uma das principais empresas mundiais especializadas pesquisa e consultoria em tecnologia da informação, afirma que gastos globais com segurança e gestão de riscos devem crescer 14% em 2024.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br