27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Rafael Martins

E-commerce inteligente

Oito dicas de preparo para a Black Friday 2023. Originalmente criada nos Estados Unidos, virou uma tradição também no Brasil. Não é de hoje que os consumidores nacionais aguardam a última sexta-feira do mês de novembro para aproveitar os descontos

Originalmente criada nos Estados Unidos, a Black Friday virou uma tradição também no Brasil. Não é de hoje que os consumidores nacionais aguardam a última sexta-feira do mês de novembro para aproveitar os descontos e fazer algumas compras a mais. Prova disso é que a Black Friday movimentou R$ 6,15 bilhões no país, segundo levantamento da Neotrust/Compre&Confie, em 2022.

Dessas compras, grande parte foi feita de forma on-line. Segundo a pesquisa, oito milhões de pessoas compraram no e-commerce, o que representou aumento de 1% com relação a 2021. Neste ano, a Black Friday acontecerá no dia 24 de novembro e a expectativa é que haja crescimento em relação ao ano anterior. De acordo com pesquisa realizada pela ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), as compras on-line devem ter um aumento de 10% em relação a 2022.

Em meio a esse cenário favorável, as empresas que operam no setor de e-commerce devem adotar uma estratégia proativa para otimizar seus resultados durante o mês de novembro. Vale lembrar também que essa preparação não deve se limitar apenas às companhias voltadas para o consumidor final, mas também se estende àquelas que atuam no B2B (Business-to-Business).

Por isso, à medida que o comércio eletrônico entre empresas ganha cada vez mais destaque, o investimento em campanhas especiais pode ser uma estratégia para impulsionar ainda mais seu crescimento. Por isso, separamos algumas dicas para aplicar no e-commerce B2B e vender ainda mais na Black Friday 2023:

1 – Analise informações de outros anos: esses indicadores trazem informações valiosas a respeito do comportamento de um negócio em uma data tão importante como a Black Friday. A partir de uma análise apurada de relatórios de venda, giro de estoque e acessos na loja virtual, é possível obter insights para orientar o planejamento atual.

2 – Planeje-se com antecedência: mais que obter as melhores informações para orientar o planejamento, é preciso se antecipar aos acontecimentos. É importante estabelecer uma previsão de estoque consistente, a política de desconto a ser aplicada e a abordagem de marketing da Black Friday, afinal, durante a implementação de uma estratégia, é natural que imprevistos aconteçam. Nesses casos, somente aqueles que se prepararam com antecedência poderão contornar dificuldades inerentes à gestão comercial, como problemas com fornecedores, por exemplo.

 3 – Aposte no Black November: é interesse focar não apenas na data exata da Black Friday, mas começar com promoções e ações durante todo o mês de novembro. Dessa forma, é possível chamar a atenção de mais clientes e garantir que mais pessoas possam comprar em seu estabelecimento, aproveitando o marketing da Black Friday.

4 – Logística: de acordo com o levantamento da Neotrust/Compre&Confie, problemas com logísticas foram o maior alvo de crítica por parte dos consumidores na Black Friday de 2022. Ainda segundo o Procon/SP, até o início de dezembro de 2022, mais de 1,9 mil ocorrências foram registradas relacionadas à logística. Ou seja, isso significa que uma logística eficaz faz toda a diferença na hora do consumidor optar por comprar novamente com uma empresa.

Prever o aumento na demanda durante a data e estruturar os processos para que todos os pedidos possam ser entregues dentro do prazo é fundamental para garantir não apenas o sucesso na Black Friday, mas também para fidelizar clientes que farão outras compras ao longo do ano. O trabalho em equipe também é essencial. Todos os processos devem funcionar de forma sincronizada: classificação dos pacotes, carga ideal dos caminhões e planejamento de rotas, entre outros.

5 – Estratégia Omnichannel: o termo se refere à integração de todas as diferentes plataformas e canais de vendas de uma empresa, criando uma experiência de compra contínua e consistente.

 Na implementação desta estratégia, é fundamental garantir a integração completa dos canais e a sincronização dos estoques em todas as opções de compra. A experiência de compra precisa ser unificada para que os clientes naveguem, comprem, paguem e recebam suporte de maneira consistente, independentemente do canal escolhido.

 6 – Faça um controle adequado de estoque: empresas que não prepararam os níveis de estoque para atender ao aumento na demanda, podem deixar os clientes na mão. Basta que um produto procurado esteja fora de estoque para que grandes vendas sejam perdidas, pois os compradores procuram priorizar o fechamento com os fornecedores de costume. Para analisar os níveis ideais de estoque para atender ao aumento da demanda, considere a procura esperada neste período, a sazonalidade, as preferências da base de clientes, o histórico de vendas e outras informações que contribuam para uma visão mais clara.

7 – Diversifique os meios de pagamento: além do preço, um fator que influencia na decisão de compra dos clientes é a forma de pagamento, alguns preferem parcelar, outros passar no PIX ou fazer um boleto. É importante que as empresas ofereçam diferentes meios de pagamento para não perder vendas no último momento da compra.

 8 – Pense no pós-Black Friday: é essencial que as empresas busquem fidelizar os clientes que foram adquiridos durante a Black Friday. Aposte em ações que mantenham o relacionamento por meio de envio de e-mails e mensagens, buscando ter novas positivações na base. Dessa forma, os lucros obtidos durante a campanha não ficarão restritos ao mês de novembro, podendo ser estendidos.

 A Black Friday de 2023 promete ser uma boa oportunidade para as empresas B2C e B2B. Ao adotar uma abordagem estratégica, preparando-se com antecedência, essa é uma oportunidade de maximizar as vendas durante e pós-campanha por meio do estabelecimento de bases sólidas para o crescimento contínuo e a fidelização dos clientes ao longo do próximo ano.

Artigo de Rafael Martins, CEO da Máxima Tech e da LifeApps