27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Ronaldo Fernandes da Silva

Big Data

Big Data como protagonista dos negócios nos processos logísticos e no e-commerce. É uma revolução no mundo dos negócios que permite a coleta, processamento e análise de grandes quantidades de informações em tempo real

A logística e a cadeia de suprimentos são setores que podem se beneficiar, significativamente, com o uso de Big Data, otimizando processos, aumentando a eficiência e, consequentemente, impactando diretamente na satisfação do cliente.

De acordo com pesquisa da Accenture, cerca de 81% das empresas que já utilizam Big Data nos processos logísticos relatam melhorias expressivas nas operações. Uma das principais vantagens da utilização da tecnologia na logística é a possibilidade de monitorar em tempo real todo o processo de entrega, desde a coleta, movimentação no armazém, até a entrega ao consumidor.

Isso permite a identificação de problemas rapidamente e a tomada de decisões imediatas para solucioná-los. O Big Data também permite o planejamento de rotas mais eficientes, reduzindo o tempo e o custo da operação.

Na cadeia de suprimentos e no e-commerce, o Big Data permite a identificação de padrões e tendências de consumo, o que garante ajustes na produção e estoque de maneira mais eficiente, o que resulta na redução de gastos, melhoria na qualidade dos produtos e alta experiência na jornada de compra para os consumidores.

O Big Data também pode ser usado para prever possíveis interrupções na cadeia de abastecimento e encontrar soluções para minimizar os impactos, o que incrementa a resiliência de todo o processo logístico e garante a continuidade dos negócios, mesmo em situações de crise.

Para obter o máximo de benefícios do Big Data, naturalmente, é necessário investir em tecnologia, mas também em uma mudança de cultura organizacional. Colaboradores de diferentes áreas do negócio precisam estar envolvidos no processo de identificação e análise dos dados.

As empresas apostam cada vez mais em suas cadeias de suprimentos. O volume de informações em constante crescimento apresenta possibilidades infinitas para melhorar a tomada de decisões em todas as etapas logísticas. Estudos do setor apontam que o mercado global de análises de dados totalizará, em 2023, cerca de US$ 403 bilhões, crescimento de 41% em relação ao ano passado.

O uso de Big Data é um verdadeiro agente transformador para os prestadores de serviços logísticos. Ele não só fornece insights inteligentes para melhorar a eficiência operacional, como ajuda a satisfazer as expectativas econômicas e sustentáveis.

Embora as vantagens do Big Data já sejam amplamente conhecidas, elas só se tornam tangíveis se a abordagem correta for usada. E é exatamente isso que os operadores logísticos têm feito nos últimos anos, embarcando em uma jornada para melhor explorar o potencial dos dados em diferentes sistemas operacionais como o TMS, WMS e Torre de Controle. Atualmente, empresas construíram uma potente arquitetura de plataforma de dados adequada para permitir que as informações sejam transmitidas e analisadas em tempo real.

Dados eficientes estão se tornando mais acessíveis para as equipes operacionais melhorando, consideravelmente, a experiência dos clientes. O Big Data na logística urbana, por exemplo, é uma grande vantagem no monitoramento dinâmico da preparação do pedido até a entrega no last mile. Se há uma área onde os dados podem realmente ter um impacto importante é na redução da emissão de carbono. Atualmente, o mercado demanda ações sustentáveis. Com o Big Data, o sistema TMS permite dar métricas ambientais como a quantidade de CO2 gerada no transporte.

Ferramentas analíticas avançadas podem ser empregadas para integrar dados de uma variedade de sistemas e combinados com fatores externos como previsão do tempo, comportamento dos concorrentes e preços, o que aumentará significativamente a capacidade de prever a demanda. O Big Data soluciona problemas muito mais complexos na rede de distribuição, modelando resultados em cenários bem mais detalhados.

O Big Data aprimora substancialmente as operações da cadeia de suprimentos, mas não é uma solução mágica. As empresas precisam mudar a maneira como analisam os dados e essa estratégia deve ser uma prioridade de alto nível no ambiente corporativo. Os líderes da indústria que desejam construir as melhores operações logísticas sabem que agora é a hora de aproveitar a análise de Big Data para reduzir os custos operacionais e aumentar a flexibilidade no futuro, garantindo que permaneçam inovadores para se manterem à frente dos concorrentes.

Artigo de Ronaldo Fernandes da Silva, presidente da FM Logistic do Brasil