27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Bárbara Fraga

Logística 4.0 e Inteligência Artificial

Entenda as novas tendências e as inovações no setor. Dentro dessa perspectiva, existe uma larga variedade de possibilidades e de impactos que é possível perceber nos negócios. E no que tange à Inteligência Artificial (IA), existem algumas que ganham destaque

O setor logístico está entre os segmentos que mais cresceram no Brasil nos últimos dois anos. Dados da consultoria Kantar apontam uma elevação de 30% durante o período. Além disso, somente em 2022, foi registrado um salto de 64% na geração de empregos no segmento, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. E, para este ano, a perspectiva é que o crescimento dessa área não pare por aí.

Mas se por um lado a geração de empregos e negócios são positivos para o setor, por outro, este crescimento continua sendo uma meta difícil de alcançar para diversas organizações do país. Isso porque as empresas logísticas tiveram que se readequar (e rápido) às novas tecnologias para atender a demanda de serviços de entrega, intensificada principalmente com a chegada da pandemia.

Para ilustrar um pouco mais o assunto, há exemplos como as empresas de manufatura, que têm na logística uma operação essencial para o transporte de matérias-primas, gestão de estoques e gerenciamento de cadeia de suprimentos; no varejo, onde é crucial garantir a entrega de produtos aos clientes de forma rápida e eficiente, assim como no setor de transportes, a logística é o núcleo do negócio, incluindo a programação de rotas e o gerenciamento de frotas.

Como vimos, por ser um fator essencial para diversas organizações de diferentes setores, a logística precisa estar em constante evolução, com a adoção de novas tecnologias e estratégias para aumentar a eficiência e reduzir os custos. E por ser uma área que vem se transformando a cada dia, reuni algumas tendências e inovações mais importantes neste contexto.

 Mas antes de detalhar cada um dos serviços otimizados, é preciso entender os processos do que chamamos de ‘Logística 4.0’. Considerada uma abordagem inovadora, pois utiliza tecnologias como Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA) e Big Data, esta frente tem como objetivo otimizar diferentes tarefas do setor. Um grande ganho na utilização destes recursos é a omnicanalidade, ou seja, integrar diferentes canais de venda e de entrega para oferecer uma experiência mais completa e fluída aos clientes.

 Dentro dessa perspectiva, existe uma larga variedade de possibilidades e de impactos que podemos perceber nos negócios. E no que tange à IA, existem algumas que ganham destaque, como cito abaixo.

– Previsão: pode ajudar as organizações a prever a demanda por seus produtos, com base em dados históricos e tendências atuais. Isso permite que as empresas planejem melhor a produção, a compra de insumos e a distribuição de mercadorias, evitando desequilíbrios nos estoques.

– Roteirização: otimiza rotas de entrega e planejamento de carregamentos, levando em conta diversas variáveis, como o tempo de entrega, as condições de tráfego, as distâncias a serem percorridas e as restrições de veículos, entre outras. Isso pode ajudar a reduzir os custos com transporte e melhorar a eficiência do trabalho.

– Monitoramento: combinada com a IoT, a Inteligência Artificial permite o monitoramento em tempo real de todo o processo de logística, incluindo a localização dos veículos, a movimentação das mercadorias e o tempo de entrega, ao mesmo tempo em que trabalha padrões de problemas antes mesmo deles ocorrerem. Isso permite que as organizações façam ajustes preventivos com foco na melhoria da qualidade do serviço prestado.

– Manutenção: nessa modalidade, as organizações podem prever e evitar falhas em veículos e equipamentos de armazenamento por meio de análise de dados de manutenção e monitoramento de condições de uso.

 – Automação de processos: em tarefas repetitivas, como o rastreamento de pedidos, no processamento de faturas e na atualização de estoque, a IA permite que as empresas economizem tempo e reduzam erros humanos.

No geral, a automação é uma grande aliada no marco da era 4.0, pois permite uma gestão mais eficiente da cadeia de suprimentos e a redução de erros. Além disso, com essa automação, é possível melhorar a visibilidade da área de ponta a ponta, já que é viável coletar e analisar dados em tempo real, permitindo uma gestão mais eficiente e uma tomada de decisão mais precisa.

Grupo Pão de Açúcar

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) é um exemplo de empresa que está investindo em inovação nessa esfera. Recentemente, a empresa anunciou a reestruturação da sua malha logística, com a adoção de um novo modelo de abastecimento de lojas. Com essa estratégia, o Grupo pretende reduzir o tempo de entrega dos produtos e melhorar a eficiência da cadeia de suprimentos.

Outro tópico em alta para se levar em consideração no atual momento do setor logístico, é o ESG (Environmental, Social and Governance, que em tradução livre significa governança ambiental, social e corporativa). A preocupação com a redução de emissões de carbono, o uso de fontes alternativas de energia e a redução do desperdício de recursos são temas que devem ser levados em consideração na tomada de decisões.

Além disso, a adoção de práticas ESG pode melhorar a reputação da empresa e sua relação com clientes e parceiros. Com o monitoramento de dados em tempo real e o uso da IA é possível acompanhar detalhadamente como as práticas de sustentabilidade estão sendo utilizadas.

 O uso de tecnologias na área da logística traz inúmeros benefícios para as empresas, como a redução de custos, o aumento da eficiência e da transparência, a melhoria na gestão de estoques e a rastreabilidade, entre outros. Com a evolução constante da tecnologia, novas soluções surgirão para otimizar ainda mais os processos logísticos e torná-los mais automatizados e precisos. Portanto, investir em tecnologias na área de logística é fundamental para manter a competitividade no mercado e garantir o sucesso do negócio há longo prazo.

Artigo de Bárbara Fraga, head de Data Science da A3Data, consultoria especializada em dados e inteligência artificial