7 de dezembro de 2023

CARGAS

O site dos transportes

Boa parte das ocorrências envolve caminhões transportando grãos

Olho na criminalidade

Roubo e furto de veículos pesados sobem no Brasil. Crescimento foi de 2,95% no primeiro semestre. Segundo levantamento da maior empresa de rastreamento e localização de veículos do país, alguns estados apresentaram altas significativas, como SC (119,26%), RS (39,81%), SP (20,59%) e MT (9,45%)

As ocorrências de roubo e furto de veículos pesados, no Brasil, nos seis primeiros meses de 2022, cresceram 2,95%, na comparação com o primeiro semestre de 2021, segundo dados do Grupo Tracker, maior empresa de rastreamento e localização de veículos do país. Os estados com elevação nas estatísticas foram Santa Catarina (119,26%), Rio Grande do Sul (39,81%), São Paulo (20,59%) e Mato Grosso (9,45%). Os demais permaneceram estáveis ou apresentaram queda.

O coordenador do comando de operações do Grupo Tracker, Vitor Correa, explica que, apesar da volta à rotina da população após a diminuição de casos de Covid-19, a categoria de caminhões não apresentou alta expressiva porque foi a menos afetada pela pandemia. “Nos dois anos de crise sanitária, o setor que praticamente não parou foi o de transporte. O que faz com que os dados de roubo e furto permaneçam com índices mais baixos do que os demais”.

No estado de São Paulo, parte das ocorrências envolvia veículos transportando grãos que seguiam para o porto de Santos para exportação. E no Mato Grosso, o agronegócio aquecido aumentou o número de caminhões em circulação e os tornou alvo favorito dos criminosos.

Para minimizar os prejuízos causados pelas quadrilhas especializadas, as empresas de segurança e tecnologia desenvolvem produtos cada vez mais eficazes. “Precisamos estar sempre um passo à frente dos bandidos. E uma das ferramentas para isso é o Sistema Inteligente de Detecção de Jammers – exclusivo do Grupo Tracker. Ele funciona da seguinte forma: nossos rastreadores atuam por radiofrequência e possuem um alerta de jammer que reporta um sinal à nossa Central de Operações assim que o ‘capetinha’ é colocado no veículo. Conseguimos nos antecipar aos avisos dos clientes e ter mais efetividade nas recuperações”, afirma Vitor.

Só em 2022, esse sistema já antecipou 194 roubos e evitou um prejuízo estimado em R$ 36 milhões. “Mais da metade dos veículos pesados que a companhia localiza é graças a essa tecnologia e de forma proativa”, complementa.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br