27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Bruno Valerim

Sensor de distração e fadiga

Conheça a tecnologia capaz de evitar acidentes de trânsito, que utiliza princípios de inteligência artificial integrada para monitorar e identificar padrões de comportamento, possibilitando que o condutor de um veículo se antecipe a determinadas situações

Cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, a tecnologia pode ser usada como grande aliada na prevenção de eventos relacionados às vulnerabilidades tipicamente humanas.  A fadiga e a distração dos condutores, por exemplo, estão entre as principais responsáveis por acidentes de trânsito, segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).

Essa questão pode ser ilustrada através de um caso ocorrido em janeiro de 2020, em que um motorista de caminhão sofreu um acidente na BR-101 depois de dirigir por 24 horas seguidas. Ele cochilou ao volante e acabou saindo da pista. Felizmente, não se feriu gravemente, mas faz parte de uma estatística crescente nos últimos anos. Segundo pesquisa da mesma instituição, entre julho de 2014 e julho de 2020, cerca de 22,6 mil acidentes relacionados à sonolência foram registrados, o que resultou em mais de 2 mil mortes e 22 mil feridos. Casos como esses já podem ser evitados com a instalação de um sensor de detecção de fadiga e distração de motoristas.

O que é o sensor de fadiga e distração?

É um dispositivo que utiliza princípios de inteligência artificial integrada para monitorar e identificar padrões de comportamento, possibilitando que o condutor de um veículo se antecipe a determinadas situações e, consequentemente, evite acidentes.

Na prática, ele é uma câmera instalada no painel do caminhão, que, além de detectar cansaço e distração, identifica uso de celular, cigarro, cinto de segurança (se está afivelado), bem como outros comportamentos de risco provocados por distrações.

Cinco segundos sem prestar atenção na direção em uma velocidade média de 60 km/h, por exemplo, equivalem a 80 metros percorridos sem que o motorista saiba o que está acontecendo na pista. Geralmente, é nessas situações que acidentes relacionados ao cansaço acontecem. E é nesse contexto que o sensor de fadiga entra em ação.

No monitoramento de frotas, a tecnologia de detecção de comportamentos costuma ser combinada com outras que garantem uma solução completa e precisa. Dessa forma, é possível acompanhar o trajeto e as condições do veículo e do condutor.

Uma solução completa, que inclua o sensor de fadiga, reúne as seguintes tecnologias: 

Câmeras veiculares – garantem o monitoramento em tempo real e a identificação de situações de perigo. Monitoram pessoas, o veículo e as cargas;

DVR veicular – armazena as gravações dos vídeos, gerencia os eventos e transmite as informações utilizando a rede 4G enquanto o veículo estiver em deslocamento;

Software – possibilita o gerenciamento e a comunicação remota entre o gestor de frotas e o condutor do veículo. Na prática, o gestor da frota pode monitorar eventos de risco do motorista pelo seu computador ou celular.

Além disso, os modelos de equipamentos específicos para veículos têm proteção contra o uso severo (condições adversas que impõem maior desgaste ao veículo e seus componentes) em estradas e ambientes de alta vibração. Também contam com design robusto para evitar trepidações durante o percurso.

Enquanto alguns tipos de câmera têm a função de detectar fadiga e comportamentos de risco, outras, como as que são instaladas no para-brisa, detectam riscos de colisão, atropelamento e até mesmo a troca de faixa sem que o motorista tenha sinalizado. 

Benefícios do conjunto de soluções

A utilização das soluções tecnológicas que incluem o sensor de fadiga promove diversos benefícios para empresas que transportam pessoas e diferentes tipos de cargas, pois atuam na prevenção de acidentes fatais e danos materiais. Entre outros pontos positivos dessas soluções, destacam-se:

Possibilidade de gerar imagens que ajudam a esclarecer eventos. Isso porque, quando gravadas pelo DVR veicular, ajudam a solucionar dúvidas sobre incidentes, como a atitude dos envolvidos no momento, falhas no veículo, defeitos na estrada, excesso de velocidade e falta de sinalização.

Redução de prejuízos financeiros, pois diminuem a ocorrência de multas, o tempo gasto para no esclarecimento de acidentes e os processos trabalhistas.

Facilidade para acompanhar a atividade do motorista, já que as câmeras veiculares, aliadas à inteligência artificial, podem ser usadas para acompanhar a produtividade do motorista e, a partir disso, considerar a implementação de recompensas. Esse tipo de dinâmica tem sido cada vez mais comum nas empresas, que passaram a premiar e reforçar as boas ações e condutas por parte dos motoristas.

Possibilidade de a transportadora fazer um mapeamento de riscos, por meio das informações geradas. Com isso, é possível definir rotas de forma mais precisa, evitando trechos com curvas sem sinalização, estradas precárias, tráfego intenso, entre outros.

Todos esses benefícios mostram o potencial que as soluções inteligentes de monitoramento de frota têm para salvar a vida de pessoas diariamente.  A tecnologia por trás do sensor de fadiga permite que acidentes relacionados ao cansaço físico e à distração dos condutores diminuam, pois, ao identificar que determinado motorista apresenta sinais frequentes de fadiga ou usa o celular durante a condução do veículo por exemplo, o sistema encaminha uma notificação ao profissional do centro de operações, que pode entrar em contato com o condutor em tempo real para tomar uma atitude de acordo com a situação.

Artigo escrito por Bruno Valerim, supervisor da categoria de tecnologias de monitoramento e rastreamento da Intelbras, empresa brasileira desenvolvedora de soluções tecnológicas