20 de abril de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Achiles Rodrigues

Torre de Controle

Inovações e tendências na logística. Integração entre três frentes da logística – Verde, Autônoma e Colaborativa – é facilitada pela tecnologia

As operações comerciais dependem de uma logística inteligente e otimizada, sustentada em tecnologia, automação, profissionais qualificados e processos otimizados. Reunir todas as estratégias e decisões em um único lugar é extremamente difícil – a não ser que se invista em uma Torre de Controle.

Sem integração total, a cadeia de suprimentos tem dificuldades para gerenciar estoques, coordenar embarques e desembarques, selecionar transportadores, ser ágil nas entregas, monitorar as viagens, reduzir a sinistralidade, ter valores de frete competitivos, satisfazer as exigências do cliente e se manter competitivo. 

Para adquirir visibilidade total, coordenação eficiente, dados para tomada rápida de decisão, otimização de recursos, gestão de recursos e adesão às novas tendências da logística, a Torre de Controle é a melhor aliada.

Tendências emergentes no setor

Com a constante transformação do mercado, os clientes fazem novas exigências, as tecnologias alteram as relações – inclusive as comerciais – e, por isso, é crucial dar atenção às tendências logísticas:

1. Logística Verde

A Logística Verde, também conhecida como Logística Sustentável, envolve a aplicação de práticas ambientalmente amigáveis e socialmente responsáveis nas operações logísticas. Adotar medidas sustentáveis na logística não contribui apenas para a preservação do meio ambiente, mas traz benefícios econômicos e melhorias na reputação da empresa. 

A Logística Verde leva em consideração, por exemplo, a otimização de rotas, a redução das emissões de carbono e a escolha de modais de transporte sustentáveis. A consolidação de cargas e a gestão eficiente da frota também são atributos dessa “nova” logística.

Diminuir os níveis de estoque é outra solução alinhada à Logística Verde, já que evita o desperdício. No rol de boas práticas da cadeia de suprimentos “sustentável” estão ainda o uso de embalagens eco-friendly, recicláveis e biodegradáveis e gestão de resíduos. 

2. Logística Autônoma

A Logística Autônoma – ou Logística Automatizada – torna possível o gerenciamento de uma operação comercial e logística por meio de tecnologias autônomas e de inteligência artificial.

Automatizar os processos logísticos melhora a eficiência operacional em áreas como: otimização de rotas com análise de dados em tempo real; condução autônoma de veículos; armazenamento autônomo; rastreamento e monitoramento em tempo real; gestão de frota autônoma; tomada de decisões baseada em dados; redução de erros humanos; eficiência energética e resiliência operacional.

3. Logística Colaborativa

A cooperação na logística desempenha papel fundamental na cadeia de suprimentos. Além de auxiliar na redução de custos, a Logística Colaborativa otimiza o compartilhamento de recursos, com armazéns e frotas. A colaboração também evita redundâncias, otimiza processos e ajuda na solução de desafios comuns às empresas de um mesmo segmento. Da mesma forma, facilita o compartilhamento de informações em tempo real, a visibilidade e a coordenação entre parceiros da cadeia de suprimentos. 

A Logística Colaborativa fortalece a resiliência dos elos da cadeia de supply chain, reduz desperdícios e custos, melhora a rastreabilidade, evita o transporte ineficiente e ocioso, evita processos operacionais redundantes e melhora a produtividade.

Integração das tendências na Torre de Controle logística

A Torre de Controle é uma facilitadora na hora de integrar as operações às novas tendências, tecnologias e inovações logísticas:

Adoção da Logística Verde

Incorporar os conceitos da Logística Verde à rotina da cadeia de suprimentos é mais fácil quando se utiliza a Torre de Controle. As Torres de Controle utilizam tecnologias avançadas para otimizar rotas de transporte e selecionar modais mais sustentáveis, contribuindo para a redução das emissões de carbono.

Por meio da integração de dados em tempo real sobre a frota de veículos, as Torres de Controle tornam o uso de veículos mais eficiente em termos de combustível e ajudam a coordenar manutenções preventivas.

Outras vantagens de quem utiliza Torres de Controle a favor da Logística Verde são monitoramento de emissões e pegada de carbono por meio de fornecimento de dados; colaboração entre os diferentes parceiros da cadeia de suprimentos, incentivando a adoção de práticas sustentáveis em conjunto; gestão de resíduos e coordenação de práticas sustentáveis de descarte e reciclagem comuns a todos os parceiros e implementação de métricas e indicadores de desempenho sustentável que ajudam as empresas a identificarem oportunidades de melhoria das metas ambientais. 

Logística Autônoma

As Torres de Controle fazem a integração das tecnologias de automação, o que coloca os usuários um passo à frente na hora de aderir à Logística Autônoma. 

A automação de tarefas repetitivas, a otimização das rotas e a centralização dos processos nas Torres de Controle são estratégicas para a redução dos custos operacionais. O resultado da Logística Autônoma é a queda na incidência de erros humanos, menos discrepâncias nos processos, melhoria na qualidade do serviço e redução das horas dedicadas ao retrabalho.

Com inteligência artificial, algoritmos avançados e sistemas autônomos integrados nas Torres de Controle, operadores logísticos e embarcadores ficam aptos às constantes mudanças nas condições operacionais (como novas rotas de transporte e variações nos padrões de estoque), gestão de inventário, segurança nas operações e rastreabilidade.

Muitos sistemas autônomos operam continuamente, proporcionando atividades ininterruptas 24 horas por dia, sete dias por semana e, assim, garantem o atendimento a demandas flutuantes e prazos apertados.

O papel da colaboração

A Logística Colaborativa tem influência direta na eficiência das Torres de Controle e vice-versa. Ao investir em uma Torre de Controle, as empresas adeptas da Logística Colaborativa melhoram a integração e a coordenação entre os diferentes parceiros da cadeia de supply chain.

A colaboração efetiva – que tem como princípio o compartilhamento de informações, recursos e tecnologias – aumenta a visibilidade da cadeia de suprimentos, facilita a comunicação e melhora a eficiência operacional. 

Essa visibilidade abrangente permite que a Torre de Controle tome decisões informadas e proativas. Além disso, a Torre de Controle pode coordenar a produção, o transporte e o armazenamento de maneira integrada. Outro pilar da Logística Colaborativa é a otimização de ativos, como armazéns, frotas e instalações de produção. Essa estratégia leva à redução de custos e evita redundâncias nas operações.

A colaboração e a integração de sistemas e de processos via Torre de Controle também permite uma resposta ágil às mudanças nas condições do mercado, flutuações na demanda, atrasos no fornecimento ou outros eventos inesperados.

Na otimização de rotas e no compartilhamento da capacidade de transporte, a dupla Torre de Controle e Logística Colaborativa ajuda a melhorar a performance geral, reduzir prazos e manter clientes satisfeitos.

A gestão de riscos compartilhada é outra vantagem. Ao integrar as práticas da Logística Colaborativa, a Torre de Controle aprimora sua capacidade de coordenar operações e melhorar a segurança.

As operações de supply chain são complexas e a concorrência acirrada requer que as empresas estejam atentas às tendências emergentes – como a Logística Verde, Logística Autônoma ou Logística Colaborativa – e não tenham medo de ousar. Assim, investir em Torres de Controle com uso de alta tecnologia faz toda a diferença no dia a dia de embarcadores, operadores logísticos, transportadores e, é claro, dos clientes.

Artigo de Achiles Rodrigues, head de Torre de Controle da nstech