27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Gaps na logística dos grãos

Em 2023, safra recorde demanda tecnologia para solucionar gaps na logística. Entenda como inovações estão resolvendo questões para potencializar a eficiência do agronegócio em um momento importante para toda a economia do Brasil

A falta de planejamento e infraestrutura causam inúmeros problemas logísticos no Brasil. Mas, quando falamos de oportunidades no agronegócio, especialmente em momentos de supersafras, esta pauta também acompanha questões como a segurança do transporte, armazenagem e estocagem, frete, coordenação na cadeia de suprimentos, monitoramento e rastreabilidade.

No Brasil, a safra recorde de grãos deve chegar a 317,6 milhões de toneladas este ano, segundo previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Um desempenho que ajuda a derrubar a inflação e a melhorar o saldo do comércio com outros países. No entanto, de acordo com levantamento da Esalq/USP, todo o custo logístico no Brasil, somando gastos rodoviários e portuários, representam entre 30% e 40% do valor pago pela soja, por exemplo.

“Os desafios logísticos podem hoje ser enfrentados com uso de tecnologias para gestão, que atendem peculiaridades das atividades do agronegócio. Sistemas como o ERP e o YMS permitem monitorar os níveis de estoque em tempo real e garantem uma gestão eficiente dos pátios e áreas de estocagem. A adoção dessas tecnologias contribui melhorando os gaps e promovem melhorias na eficiência, rastreabilidade e coordenação das operações logísticas”, destaca Fernando da Silva, diretor do segmento de agronegócio na Senior Sistems.

O especialista da Senior reforça que, o uso do ERP pode promover uma gestão integrada para o agronegócio. “Dados de finanças, estoque, compra e venda em um único local viabilizam uma visão abrangente das operações agrícolas. Isso facilita o planejamento estratégico e a tomada de decisões. Também é possível ter informações detalhadas sobre a origem dos grãos, o histórico de transporte e o status atual das remessas. Isso é essencial para garantir a qualidade, segurança e conformidade com regulamentações”, explica.

Ao usar o ERP é possível ainda ter uma gestão mais eficiente de custos e receitas, permitindo uma melhor alocação de recursos. Isso porque o ERP registra e rastreia informações críticas, como datas de produção, certificações e registros de transporte.

“Isso facilita a auditoria e garante que as empresas estejam em conformidade com as regulamentações aplicáveis. Durante a supersafra, a eficiência na escolha de rotas e no gerenciamento de custos logísticos é fundamental para maximizar a rentabilidade do agronegócio. O sistema ERP pode analisar dados históricos de transporte, condições de tráfego e outras variáveis para otimizar as rotas de transporte, reduzindo os custos operacionais e melhorando a competitividade”.

Outra tecnologia que contribui com a logística no agronegócio é o sistema YMS, que proporciona uma gestão mais eficiente dos pátios e áreas de estocagem, otimiza o fluxo de caminhões, reduz custos, garante a rastreabilidade e melhora a coordenação entre os diferentes elos da cadeia logística.

“O YMS permite agendar a chegada e a partida de caminhões de forma coordenada, garantindo uma distribuição equilibrada da demanda de transporte ao longo do dia e evitando congestionamentos. Isso reduz o tempo de espera dos motoristas. Além disso, a redução do tempo de permanência dos veículos no pátio e a agilização das operações de carga e descarga aumentam a produtividade e permitem que mais grãos sejam escoados em um período de tempo menor”.

Fernando explica que o YMS permite monitorar em tempo real as operações nos pátios, fornece informações detalhadas sobre a movimentação dos grãos e permite a rastreabilidade dos lotes. Desta forma, é possível garantir que a origem da carga seja conhecida em cada etapa da cadeia logística, desde o campo até o destino final, proporcionando transparência e confiança aos consumidores e compradores.

“Com o YMS, as informações sobre a movimentação dos grãos e o status das operações nos pátios são centralizadas em um sistema integrado. Isso melhora a comunicação entre produtores, transportadoras, cooperativas e empresas de exportação. Permite uma visão completa e em tempo real da cadeia logística e facilita o planejamento estratégico, a tomada de decisão, e respostas a mudanças na demanda.

Durante a supersafra, a demanda por frete pode apresentar picos em alguns períodos. O YMS também pode ajudar a distribuir de forma mais equilibrada a demanda de transporte ao longo do dia e da semana, evitando sobrecarga de capacidade logística em horários de pico e reduzindo o risco de atrasos nas entregas. Essa funcionalidade é especialmente relevante para o transporte de grãos a longas distâncias, como para os mercados internacionais.

Além disso, a gestão sustentável é uma preocupação crescente no agronegócio, e o YMS pode contribuir para práticas mais sustentáveis de transporte e logística. “Com uma melhor programação de chegadas e partidas, é possível reduzir o consumo de combustível e as emissões de carbono. A redução do tempo de permanência dos caminhões nos pátios também contribui para uma logística mais eco-friendly”, finaliza o especialista.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br