20 de abril de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Caio Reina

Planejamento de rotas

O que considerar para garantir eficiência e fidelização de clientes? Priorização das restrições, redução de custos operacionais, relação entre a natureza da demanda e a operação e definição de diretrizes são extremamente importantes

Planejar rotas eficientes é um trabalho árduo, porém necessário. Diariamente, as operações logísticas precisam realizar dezenas ou até milhares de entregas e coletas levando em consideração uma série de fatores importantes para a empresa e para o cliente – e quanto maior a demanda, maior a complexidade do planejamento de rotas.

Essa é uma atividade que não se trata apenas de encontrar o trajeto mais curto entre os pontos A e B, mas sim de atender exigências específicas da frota, das vias e dos clientes, para aproveitar melhor os recursos e diminuir custos.

Correndo atrás de rotas eficientes

Conforme as demandas de uma operação aumentam, o planejamento de rotas se torna mais complexo para ser gerenciado apenas com ferramentas simples e manuais, como planilhas no Excel ou Google Maps. Isso porque é necessário lidar com cálculos de custos, capacidades de veículo, janelas de atendimento, jornadas de trabalho da equipe etc. E a tendência é que toda essa complexidade fique cada vez maior em um cenário de same day delivery.

Para garantir entregas mais rápidas, as operações logísticas têm investido em novos centros de distribuição, dark stores e veículos menores que possam trafegar mais livremente pelos grandes centros urbanos.

Com tantas variáveis em jogo, a otimização de rotas pode ser um fator decisivo para o sucesso ou fracasso de um negócio. Isso porque, segundo a Fundação Dom Cabral, os custos com logística chegam a representar 12,3% do faturamento das maiores empresas embarcadoras de carga do Brasil.

Cada operação é única e, para fazer uma gestão eficiente de todos os recursos disponíveis, é muito importante entender quais são suas particularidades e seus gargalos, antes de tomar decisões importantes – e esse é um processo que pode exigir muitas horas de trabalho.

O que deve ser considerado no planejamento de rotas

Priorização das restrições

A eficiência de uma rota depende do atendimento a todas as restrições do cliente (como janela horária, tempo máximo para carga e descarga, disponibilidade de estacionamento etc), da frota (como limite de capacidade do veículo, tipo de carga, veículos disponíveis etc) e do trajeto (como tempo máximo de viagem, locais de parada programada etc). Um bom planejamento deve levar em consideração o maior número possível de restrições, de acordo com a prioridade preestabelecida.

Redução de custos operacionais

Reduzir custos é praticamente uma necessidade universal. No caso das operações logísticas, esse trabalho envolve uma análise dos custos fixos e variáveis. É preciso aproveitar melhor a capacidade dos veículos a fim de diluir os custos fixos, como manutenção, seguro, impostos, salários dos motoristas etc, ao mesmo tempo em que se deve circular o menos possível, para reduzir custos variáveis, como combustível e pedágios.

Relação entre a natureza da demanda e a operação

Um planejamento de rotas eficaz deve considerar também a natureza da demanda, ou seja, se uma rota vai operar com entregas, coletas ou as duas opções simultaneamente. Além disso, é preciso analisar também o tipo de carga a ser transportada (se é única ou fracionada, se requer refrigeração ou outros cuidados personalizados etc).

Definição de diretrizes

Existem variáveis que impactam diretamente o planejamento de rotas, mas que dependem das decisões preestabelecidas pelas lideranças e regimentos internos da empresa. São alguns exemplos: tamanho da frota, horário de início e de término da jornada, tipos de veículos, tempo de parada e permissão para viagem com mais de um dia de duração.

Com tantas variáveis em mãos, realizar um planejamento otimizado de rotas é uma tarefa praticamente impossível de ser feita por humanos. Por isso, as operações têm investido cada vez mais em tecnologias que utilizam algoritmos capazes de testar, em poucos segundos, diversas combinações até chegar ao melhor resultado.

Artigo de Caio Reina, CEO e fundador da RoutEasy e mestre em Logística e Engenharia de Transportes