22 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Giordania Tavares, CEO da Rayflex

O papel do layout dos armazéns

Especialista em oferecer soluções tecnológicas para indústrias dos mais variados segmentos esclarece os principais pontos a se observar na projeção de um armazém e, assim, obter melhores resultados

As constantes exigências do mercado e a demanda por entregas cada vez mais ágeis e de qualidade despertaram o olhar dos gestores para os layouts dos armazéns nas indústrias brasileiras. Ao longo dos anos, a inovação passou pela projeção desses ambientes para o recebimento de novas tecnologias em cada um de seus espaços a fim de garantir maior segurança e aumento de produtividade.

A especialista Giordania Tavares, CEO da Rayflex, maior referência nacional na fabricação de portas rápidas no Brasil e América Latina para a indústria, esclarece o papel do design deste importante depósito industrial, já que é responsável por armazenar uma grande quantidade de produtos essenciais em diferentes nichos de atuação.

Segundo ela, primeiramente, é preciso compreender que um bom layout de armazém é definido com uma projeção do local que promova melhor aproveitamento do espaço com o máximo de organização, atendendo a todos os requisitos, tais como: movimentação de materiais, equipamentos e operadores; estocagem dos itens de maneira correta; capacidade de estoque em dimensão e altura para disposição dos insumos; otimização do fluxo de entrada e saída; e limpeza.

“Essa definição é primordial e uma etapa que antecede a chegada dos produtos, sendo totalmente estratégica para que a armazenagem seja a mais eficiente possível”, recomenda Giordania.

É importante também pensar na disposição do armazém, pois quando feita de maneira inteligente, pode agregar ainda mais valor às operações logísticas, promovendo melhores resultados para a indústria. “Essa é uma das principais áreas de uma empresa, visto que se refere ao processo em que o transporte e o armazenamento de matérias-primas ou mercadorias são feitos de maneira eficiente para atender a todos os requisitos do cliente de maneira oportuna e econômica”, explica.

Com uma visão mais apurada para as operações logísticas, muitos gestores passaram a migrar para pontos estratégicos, investindo em condomínios logísticos, que são armazéns que atendem mais de uma empresa para os processos de armazenagem e transporte.

“Atualmente, um armazém chega a representar 30% de todos os custos logísticos de uma indústria, o que exige adaptação em seus layouts para garantir resultados satisfatórios”, avalia a CEO.

O layout ideal de armazém

A escolha do modelo de armazém é fundamental para a aplicação de equipamentos e soluções que contribuam para o ganho de produtividade e eficiência energética:

Formato em U: pode ser utilizado em qualquer tipo de lugar devido ao seu design simples e de fácil replicação. Recomenda-se alocar as docas lado a lado, nas extremidades do “U”, enquanto o estoque de produtos disposto ao fundo ocupa a maior área do armazém, no semicírculo da letra;

Design em I: o funcionamento deste é o mais simples, pois em cada ponta ficam os locais de docas e ao centro todos os produtos estocados, facilitando a movimentação de funcionários e máquinas. É recomendado quando o espaço é grande e o volume de produtos também é alto;

Formato em L: é um design muito utilizado, aqui as áreas de docas ficam em cada extremidade do armazém, enquanto o estoque fica concentrado no meio, no local em que ocorre o ângulo de 90º.

“É necessário a utilização de tecnologias que garantam a vedação e a agilidade no fluxo de pessoas em cada ambiente, o que ocorre, por exemplo, com a instalação de portas rápidas automáticas sob medida, que respeitam as particularidades do local com influência direta no resultado das operações logísticas, além de outros equipamentos e recursos”, finaliza a especialista.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br