27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Fabrício Santos

Alta dos combustíveis

Como a gestão de frotas eficiente reduz os custos logísticos. Atacadistas e distribuidores, por exemplo, precisam rever seus processos logísticos em busca da redução desses novos custos

O aumento sucessivo no valor dos combustíveis nos últimos meses vem causando impactos no ambiente econômico mundial. No Brasil, após o novo repasse de preço, ocorrido em 18 de junho, o litro do óleo diesel chegou a custar R$ 9,00 em algumas regiões, de acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo). Sabemos que o cenário impacta a todos, pessoas físicas e jurídicas, mas o efeito é maior naqueles que têm como base do negócio, ou parte dele, o transporte.

Os atacadistas e distribuidores, por exemplo, precisam rever seus processos logísticos em busca da redução desses novos custos a fim de evitar o repasse dos aumentos aos seus clientes e consumidores finais e manter uma margem de lucro viável. Uma saída para contornar tal situação é ter uma gestão de frotas eficiente.

Apesar de ser a solução mais viável para otimizar as entregas e reduzir os custos, as empresas ainda têm dúvidas sobre como realizar tal atividade para alcançarem a excelência. Por isso, seguem abaixo seis passos para implementar uma gestão de frotas considerando três pilares: os veículos, o comportamento de quem os usa e os insumos.

1. Mapeamento estrutural: diz respeito a questões como recursos e estruturas. Aqui, a ideia é mapear os seus veículos, a quilometragem deles, a condição das peças e até mesmo a necessidade de revisão, entre outros aspectos do seu funcionamento para identificar com clareza a situação das frotas e, assim, implementar uma política de utilização dos veículos.

 2. Política de utilização da frota: ao criar um documento determinando como os veículos da organização serão utilizados, é possível tornar as ações dos condutores mais objetivas e seguras, evitando problemas e gerando mais produtividade. Essa política deve conter informações a respeito da finalidade de uso de cada veículo, além de pontos de abastecimentos ideais, horários recomendados, trajetos de cada operação, velocidade máxima indicada e ações referentes à situação legal de cada condutor, entre outros elementos específicos para cada operação. Implementar essa ação auxilia na conservação das frotas e evita problemas indesejados relacionados ao mau uso.

3. Tabela de gastos: essa é uma maneira inteligente de gerenciar os gastos e evitar que eles saiam do controle, principalmente em um setor que gera custos variáveis, como os eventuais aumentos no preço da gasolina. Neste tópico, é preciso avaliar constantemente elementos como a média de consumo mensal de combustível e custos de manutenção, além dos gastos com condutores. Ao identificar quais veículos e condutores têm apresentado maiores custos na operação, a empresa pode tomar medidas preventivas, como cursos de aperfeiçoamento para os profissionais ou reparo dos veículos.

4. Programa de manutenção: existem três formas de cuidar da manutenção de veículos. São elas: a preventiva, que diz respeito a eventuais falhas; a preditiva, ou seja, atrelada ao acompanhamento do veículo por meio de inspeções; e, por fim, a corretiva, cuja função é a resolução de problemas pontuais. Ao considerar as três, a empresa consegue gerar economia e prevenir acidentes. Vale ressaltar a importância de seguir o plano com datas para os reparos e funções recomendadas pela fábrica para prolongar a vida útil dos veículos.

5. Treinamento de condutores: cada vez mais é necessário que exista um alinhamento entre o que a empresa precisa para sua frota e o que os condutores fazem no dia a dia. Ou seja, não basta apenas gerenciar os ativos sem uma conversa franca com os profissionais que estão na linha de frente, pois dificilmente a empresa se verá livre de problemas envolvendo segurança e economia. A melhor maneira de fazer isso com eficiência é por meio de treinamentos que conscientizem e mantenham a equipe sempre atualizada e ciente das boas práticas.

6. Tecnologia: soluções para o controle de rotas e a gestão de frotas tornam toda a atividade logística mais simples e sofisticada, possibilitando uma rotina de trabalho baseada em informações, como caminhos alternativos, organização da melhor rota com a menor quilometragem e controle de custos, entre outros indicadores que promovem resultados que realmente aparecem.

 Ao investir em uma gestão de frotas eficiente, é possível obter a equalização do aumento do preço dos combustíveis nas operações logísticas. Além disso, um processo mais eficiente proporciona entregas mais rápidas, aumentando o nível de satisfação e confiança, além de facilitar o trabalho de todo o time.

Artigo escrito por Fabrício Santos, diretor da onBlox, empresa do Grupo Máxima que desenvolve softwares logísticos comercializados em módulos para a cadeia de abastecimento. Com formação em análise de sistemas pela Universidade Salgado de Oliveira, o executivo atuou por mais de 12 anos na PC Sistemas (atual Totvs), onde desenvolveu vasta experiência na construção de sistemas para o mercado atacadista distribuidor, como o WinThor WMS