25 de fevereiro de 2024

CARGAS

O site dos transportes

A maior novidade da linha é o modelo 560 G 8x4 XT Heavy Tipper Super

Novos Scania off-road

Montadora lança gama Super para todas as operações fora de estrada. Depois de algumas aplicações no segmento que chegaram em 2022, marca apresenta novos modelos, especialmente para a mineração, com até 8% de economia de combustível

A Scania anuncia a terceira fase de lançamentos do portfólio de caminhões Euro 6, agora com a Nova linha Scania XT Super para todos os segmentos off-road. Com a novidade, a marca contempla, a partir deste mês, o novo trem de força Super para as outras aplicações que faltavam, principalmente para a mineração.

Os produtos passam a receber a nova caixa de transmissão Heavy Planetary, ainda mais robusta para os modelos fora de estrada, freios CRB mais Scania Retarder de série, opções de eixos e bogies para atender a diversas especificações, além de aumento dos intervalos de manutenção, novas soluções de serviços com o PRO e maior segurança na operação com o Zone, que permite controlar a velocidade da frota por meio de cercas virtuais.

Com todas estas novidades, a linha Scania passa a oferecer ainda mais produtividade, robustez, segurança, economia de combustível em menores ciclos e reduzido custo por tonelada produzida.

Os modelos da nova linha são oferecidos nas cabines P e G, em alguns casos a R, todos com o pacote XT de itens personalizados para as aplicações fora de estrada. Os motores possuem sistema de injeção XPI e as potências vão de 360 até o topo de linha, o V8 de 660cv, com a tração 10×4. As outras configurações de roda são 4×2, 6×4 e 8×4.

Os torques vão de 1.700Nm até os impressionantes 3.300Nm do motor V8. A linha Euro 6 otimizada tem os seguintes modelos: P 360 (360 cavalos de potência e 1.700Nm de torque, no motor 9 litros, no propulsor de 13 litros caminhões G 450 (450cv e 2.350Nm) e G 500 (500cv e 2.550Nm), além do R 660 V8 de 16 litros.

Já a plataforma Super contempla modelos de 13 litros com o 460 G (460cv de potência e 2.500Nm de torque) e 560 G (560cv e 2.800Nm de torque – o mais alto da categoria), com excelente desempenho já nas baixas rotações. As versões movidas a gás e biometano compõem potências de 280 cavalos e 410cv, e ao longo de 2024 chegarão as novidades de 420cv e 460cv.

A identificação da marca Super na cabine está nas laterais das portas e na parte superior da grade dianteira, abaixo do nome Scania, em um destaque elegante com uma grafia moderna e imponente. O cliente ainda poderá adicionar um adesivo, opcional, no topo da cabine entre os faróis superiores.

“A Scania tem uma tradição muito forte no segmento fora de estrada, com diversos pioneirismos ao longo dos anos, a exemplo os primeiros 8×4 (1999) e 10×4 (2007) do mercado, além de apresentar a primeira linha 100% off-road com a chegada da lei Euro 5, entre 2011 e 2012”, afirma Marcelo Gallao, diretor de desenvolvimento de negócios da Scania operações comerciais Brasil.

“A nova caixa de câmbio chega para deixar o caminhão mais rápido e robusto. Sua sessão planetária reforçada (Heavy Planetary), de modelos G25CH e G33CH, tem carcaça produzida em alumínio, o que reduz o seu peso em até 80 quilos comparado à geração anterior. Estamos lançando as linhas que vão proporcionar a maior produtividade do mercado com o menor custo por tonelada produzida”, completa.

Para garantir ainda mais segurança na operação, a montadora está incorporando dois freios, o CRB (freio de liberação de compressão, que chegou com a gama Super em 2022), e o auxiliar hidráulico Scania Retarder – juntos de série.

“Essa dupla vai impressionar os motoristas e os clientes. Somados, são 850 Kw de potência, ou 1.153 cavalos de potência, o que representa a maior capacidade de frenagem do mercado. Portanto, o caminhão ficará extremamente seguro”, explica Gallao. Completam o pacote de segurança airbag frontal e o lateral de cortina, pioneiro e exclusivo no mercado, para proteger o condutor em caso de tombamento, e bafômetro (o veículo só dará partida após o teste do motorista).

Parte da linha Euro 6 foi apresentada em novembro de 2022, durante a Fenatran, e chegou efetivamente a partir de 1.º de janeiro de 2023, pois as fabricantes de veículos comerciais precisaram se adequar aos requisitos obrigatórios de metas de controle de emissões da fase P8 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), ou equivalente à lei europeia Euro 6. Para cumprir o P8, a Scania definiu duas estratégias.

Ter uma nova linha de motores P8/Euro 6 que atendem todos os segmentos de atuação com economia de diesel de 2% sobre a geração atual; e criar uma gama dentro da categoria dos pesados, a Super, para elevar ainda mais o patamar de resultados dos clientes que atuam nas faixas de potência mais vendidas do mercado. A gama Super reduz o consumo em até 8%, conforme a montadora.

“O Scania Super tem uma plataforma verdadeiramente nova e ainda mais moderna, além de um exclusivo e novíssimo trem de força”, diz Gallao. “Não se tem registro no mercado, na faixa de potência de 420cv a 560cv, de uma solução de transporte que vem entregando tanta eficiência energética e um menor custo total de operação como o Scania Super”.

Trem de força Super

O propulsor Super traz muitas novidades. Dentre elas, o aumento da pressão de pico no cilindro para 250bar, duplo comando de válvulas no cabeçote​, fricção reduzida dos componentes internos e melhorias da lubrificação, refrigeração e da eficiência do turbo compressor. ​

“O motor Super oferece desempenho superior em relação aos atuais da marca, principalmente, devido ao comando duplo no cabeçote e ao Scania Twin SCR, um sistema de injeção dupla de AdBlue (Arla 32), que ajuda a aumentar a eficiência do processo de pós-tratamento. “Todas estas mudanças foram preponderantes para atingir a economia de até 8% sobre a geração anterior”, revela Rodrigo Arita, gerente de engenharia de pré-vendas da Scania operações comerciais Brasil.

Outro grande benefício do Scania Super está na introdução de série da nova unidade de otimização do tanque de combustível. O recurso, exclusivo da Scania para estes modelos, foi chamado de FOU (Fuel Optimization Unit) e funciona como um tanque de captura capaz de garantir a utilização máxima do combustível.

“Passamos de 87% para 97% de diesel utilizável em nossos tanques, o que significa um ganho de carga útil transportada ou o alcance estendido a depender do que for priorizado em sua aplicação”, completa Arita.

No Super, o sistema de tratamento de gases (silencioso) Euro 6 SCR (Selective Catalytic Reduction ou Redução Catalítica Seletiva) passa a utilizar uma dupla dosagem do reagente ARLA 32 (um logo no coletor de escape e o outro no silencioso) e do filtro de particulado do diesel (DPF) para atender a lei Proconve P8.

Principal lançamento

A maior novidade da linha é o modelo 560 G 8×4 XT Heavy Tipper Super, apresentado como a melhor solução para a mineração, que traz ainda mais produtividade com menor tempo de ciclo, menor custo por tonelada produzida, maior economia total operacional e maior capacidade técnica da categoria com peso bruto total (PBT) de 60 toneladas. Está equipado com a nova caixa Scania Opticruise Heavy Planetary G33CH, de 14 velocidades sendo uma Super reduzida Crawler – que diminui o uso frequente dos freios – e Overdrive. Sua capacidade máxima de tração (CMT) chega a 210 toneladas.

“Ele, sem dúvida, será nosso campeão de vendas no segmento. No uso dele na operação serão aliados fundamentais os freios CRB e Scania Retarder juntos de série. Nos testes pré-lançamento, surpreendemos os clientes com o tamanho da segurança a bordo nas mais severas condições na mineração. Estamos orgulhosos de todas as melhorias que estamos trazendo neste novo Heavy Tipper”, reforça Marcelo Gallao.

Outro modelo importante da Scania para a mineração é o R 660 V8 10X4 XT. Não é um modelo Super e oferece a melhor alternativa aos veículos da linha amarela. Ele tem parachoque inteiriço de 150 mm em aço e robusta caixa de câmbio GRSO935R de capacidade elevada de torque.

Além disso, tem eixos direcionais de capacidade técnica de 11t, terceiro eixo direcional com peças modulares, auxiliar de partida em rampa e acessórios que garantem a maior segurança na operação.

Sua economia de até 2% no consumo de combustível em comparação à geração anterior o credenciam a obter máxima produtividade e melhor performance com o aumento de velocidade média. Ele dispõe do maior peso bruto total (PBT) da categoria de 71t e de eixos traseiros desenvolvidos para a mineração, o RBP900, que oferece 210t de capacidade máxima de tração (CMT).

Outros modelos de destaque para 2024

Para o setor canavieiro o campeão de vendas deverá continuar o 560 G 6×4 XT Super, no florestal o topo do ranking Scania será do 560 G 6×4 XT Super e o 460 G 6×4 XT Super vai puxar a comercialização para as aplicações de construção.

O modelo G 560 6X4 XT, de 560 cavalos, substituiu o 540cv da geração Euro 5. Tem motor 13 litros equipado com sistema de injeção XPI e caixa de câmbio G33CH. Trata-se do caminhão de maior capacidade de arranque em aclives e menor rotação em velocidade de cruzeiro. A CMT chega a 150 toneladas. Na cana, ele já atende o peso bruto total combinado (PBTC) para as novas operações de 91 toneladas, nos circuitos rodoviário e fora de estrada. Outro diferencial neste segmento é propiciar a maior eficiência energética na carga líquida transportada por consumo da categoria.

P 360 6×4

Um modelo da linha otimizada que chegou com grande expectativa pela marca é o P 360 6×4, um pesado de entrada com 360cv de potência e 1.700Nm de torque. Trata-se de um verdadeiro multifunção nas operações de apoio para todos os quatro segmentos off-road: mineração, canavieiro, madeireiro/florestal e construção. “Este modelo com chassi rígido para suporte está bem ajustado para as aplicações off-road, com ótima capacidade de carga e muita robustez. Ele está configurado com eixo para aguentar uma capacidade máxima de tração de 150 toneladas. Ele é muito versátil”, informou Gallao.

Mercado

A Scania acredita em uma alta de vendas de caminhões para as operações fora de estrada em 2024 em comparação a 2023. O mercado está comprador e a nova linha, segundo a montadora, vai oferecer um custo total de operação imbatível para os clientes.

“Acompanhando as projeções das entidades que representam os setores da mineração, canavieiro, madeireiro e da construção, não há nada que, neste momento, mude o cenário de otimismo da Scania para um mercado superior em 2024 em relação a 2023. Somando os quatro segmentos, acreditamos em um volume geral da indústria 5% maior em 2024”, afirma Fabricio Vieira, gerente de vendas de soluções Off-Road da Scania operações comerciais Brasil.

“A cana e a mineração deverão ser os grandes destaques do mercado em 2024, seguido do florestal. A cana terá uma ótima safra com aumento da moagem, na madeira novas plantas produtivas vão aquecer o ano. Haverá aumento da produção de minério e a construção deverá ter maior procura, com investimentos do PAC, prometidos pelo governo federal”, acrescenta.

“A Scania já tem 1 mil caminhões off-road em carteira para o primeiro semestre de 2024, um recorde para a marca. Dentre eles, 115 já são do novo 560 G 8×4 XT Heavy Tipper Super para a mineração. Desse volume total, 70% são da gama Super, levando em conta todos os segmentos fora de estrada e das aplicações já lançadas em 2022”, diz Vieira.

Já em 2023, o mercado aqueceu de vez no segundo semestre. “O primeiro semestre deste ano foi mais fraco pelas incertezas de como seriam as políticas econômicas e planos do novo governo federal. Mas, o segundo semestre aqueceu bem as vendas, o crescimento da produção da mineração, o setor florestal anunciando novos projetos e inaugurando novas plantas produtivas, enquanto o setor canavieiro renovou e ampliou suas frotas de caminhões. Apenas a construção andou um pouco mais devagar do que os outros segmentos”, salienta

A Scania deverá fechar o ano de 2023 com cerca de 1.500 caminhões fora de estrada vendidos. Deste volume, cerca de 600 caminhões são da gama Super, já lançada no ano passado, para cana e madeira.

Segundo a Scania, os principais modelos que irão puxar as vendas em 2024, por segmento, serão: 560 G 8×4 XT Heavy Tipper Super (mineração), 560 G 6×4 XT Super (canavieiro), 560 G 6×4 XT Super (madeireiro) e 460 G 6×4 XT Super (construção).

Para oferecer todo o suporte necessário ao cliente, a Scania dispõe de uma solução completa na rede de concessionárias. “O cliente pode contar com o apoio do amplo leque de soluções financeiras via Scania Banco, Consórcio, Seguradora e com nosso novo negócio, a Scania Locação, que também tem caminhões off-road. Estamos oferecendo um custo total de operação imbatível com base nos pilares da eficiência energética, combustíveis renováveis, conectividade e digitalização, e transportes inteligentes e seguros”, reforça o gerente.

Números animadores

As principais entidades de classe que representam os setores da mineração, canavieiro, madeireiro e da construção divulgaram recentemente índices positivos para 2024. Na mineração, são esperados 50 bilhões de dólares em investimentos até 2027, sendo os principais estados que receberão esses investimentos serão Minas Gerais, Pará e Bahia, montantes muito focados nos metais para a transição energética (cobre e níquel). A Scania deverá fechar 2023 com 35% de participação de mercado.

Na cana, há estimativa de moagem de 630 milhões de toneladas para 2024 (20 milhões a mais que em 2023). O açúcar hoje tem o seu melhor preço internacional dos últimos 12 anos; se mantém as projeções de grande potencial para o uso em combustíveis renováveis. A Scania deverá fechar 2023 na liderança da categoria com 46,5% de participação de mercado.

No setor florestal, já estão projetados mais de R$ 60 bilhões em investimentos até 2028, dentre eles, em grandes projetos de novas plantas de produção de celulose. Por isso, a Scania tem uma forte expectativa de aumento na participação de mercado nos próximos anos; hoje o market share da marca está em 20%.

A construção, que vem sofrendo com perdas de investimentos consideráveis nos últimos anos em obras públicas, deverá ter melhores anos pela frente. Os preços mais estáveis dos insumos para construção, por conta da queda constante projetada da Selic, e as promessas de investimentos do PAC (R$ 1,4 trilhões até 2026) são os dois principais motivadores do otimismo. A Scania hoje tem 5% de participação de mercado e aposta também no modelo pesado de entrada, o P 360 6×4, como verdadeiro multifunção nas operações de apoio para aumentar as vendas.

Scania Super

A matriz da Scania na Suécia escolheu batizar a nova gama global de trem de força numa homenagem ao Brasil. Exatamente, o Scania Super nasceu aqui em 1970. Numa manhã de sábado, na fábrica de São Bernardo do Campo (São Paulo), um caminhão Scania, naquele momento o mais potente do Brasil, estava sendo fotografado pelo Departamento de Propaganda.

 Em meio ao trabalho, apareceu um curioso e, humildemente, lançou a pergunta: “É turbinado?”. Nascia, após dois anos de testes, o caminhão “jacaré” Scania Super L76, com 42% mais torque e 41% mais potência que os modelos anteriores. Não demorou para surgir a peça publicitária: “O caminhão mais potente do Brasil não é mais o Scania. É o Scania Super”.

Com ele, a Scania aumentou a produção e as vendas das unidades de motor superalimentado. Ele era equipado com motor DS 11 R 01A de 275cv e torque de 108Nm. Em 1971, o L76 foi substituído pelo L110. Em 1972, o Brasil pronuncia duas palavras de ordem: “integração” e “exportação”. Não muito longe da fábrica da Scania, uma rodovia começa a ganhar formas, a dos Imigrantes, “um novo caminho para o mar”.

O principal produto da marca, o Scania Super, passa a ser chamado de “o Caminhão da Integração Nacional”. O novo Scania Super foi produzido nas versões L, LS e LT e distância entre eixos de 4m20. A nova distância entre eixos permitiu o desenvolvimento de uma cabine com leito, um lançamento que era esperado há tempos pelos motoristas. Ficou no mercado até 1976 quando chegou o L 111, o último “jacaré” produzido.

Bruno Castilho

bruno@cargasetramsportes.com.br