27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Anfir otimista com o Renovar

Entidade entende a criação do programa como uma medida positiva e aponta que em um país onde 26% da frota possui mais de 30 anos de idade é bastante necessário um programa como este

A Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir) entende a criação do programa Renovar como uma medida positiva. “Em um país onde 26% da frota possui mais de 30 anos de idade precisamos muito de um programa como esse”, diz José Carlos Spricigo, presidente da entidade, que completa: “como se sabe o Brasil produz, a Anfir conduz e é fundamental fazermos isso em um ambiente mais seguro”.

Para Spricigo, a renovação da frota deverá melhorar as condições de segurança nas estradas brasileiras. “Todos ganharão com mais segurança no transporte rodoviário, que é a bandeira histórica da Anfir”. Ele conclui: “por isso acreditamos que o programa poderá ter êxito”.

Inicialmente o Renovar será experimental e vai começar com caminhões em Minas Gerais e ônibus, no Rio Grande do Sul. O programa concederá um crédito que varia de R$ 20 mil a R$ 30 mil para o caminhoneiro que aderi-lo e entregar seu veículo antigo em pontos credenciados de captação, desmontagem e reciclagem de veículos. Em sua primeira etapa, o programa vai beneficiar especialmente os caminhoneiros autônomos.

“O programa pretende priorizar os trabalhadores autônomos, pois são eles e o pequeno transportador que têm maior dificuldade para conseguir crédito para a aquisição de caminhões mais novos”, diz George Carloto, gerente de licitações e vendas corporativas da Iveco, fabricante de caminhões e ônibus que venceu licitação da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) para testar a plataforma.

O programa do governo estabelece que será pago pelo modelo seu valor de mercado. No entanto, o projeto piloto implementado pela Iveco estabeleceu inicialmente o intervalo de R$ 20 mil a R$ 30 mil para os caminhões a serem adquiridos.

Neste primeiro momento, o Renovar irá receber cerca de 50 caminhões com mais de 30 anos de uso na concessionária da bandeira Iveco localizada no município de Lavras (MG). Apesar da restrição geográfica, Carloto diz que caminhoneiros de todo o país podem aderir ao programa.

Ainda segundo o representante da empresa, caso o caminhoneiro tenha o crédito aprovado, ele pode optar por comprar modelos da Iveco das linhas Daily, Tector, Hi-Road e Hi-Way.

A partir da publicação da MP, a expectativa é que o Renovar ganhe cada vez mais abrangência nacional. Segundo Carloto, o próximo passo será o estabelecimento do Conselho Gestor do Programa Renovar. O conselho irá definir as diretrizes do programa e credenciar projetos e ações de caráter regional ou nacional. Uma vez credenciadas, essas ações poderão ser implementadas.

Segundo informações da Agência Senado, o texto não define quanto será aplicado no programa que concede crédito na compra de caminhões e condiciona a execução do projeto à regulamentação do Poder Executivo. Pela proposta, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) deve operar a Plataforma Renovar e captar recursos para o financiamento do programa.

De acordo com a MP, a Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec) pode criar uma certificação para veículos automotores em circulação, que deve levar em conta critérios como condições de segurança e controle de emissão de gases poluentes ou de efeito estufa. A adesão de fabricantes e usuários seria voluntária. O texto também estabelece que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) pode definir procedimentos simplificados para a baixa definitiva de veículos classificados como sucata.

Implementos

A indústria de implementos rodoviários manteve-se estável no primeiro trimestre de 2022 com relação ao mesmo período do ano passado. Nos três primeiros meses do ano os fabricantes entregaram ao mercado 35.986 unidades. No primeiro trimestre de 2021 o volume foi de 35.885 produtos.

O segmento de reboques e semirreboques apresentou no primeiro trimestre do ano 19.504 produtos emplacados. Já o segmento de carroceria sobre chassis teve 16.482 unidades comercializadas no primeiro trimestre de 2022.

“Trata-se de uma situação de acomodação de mercado quando a demanda dos clientes do agronegócio começa a aquecer o segmento de reboques e semirreboques”, explica José Carlos Spricigo. “No segmento de carroceria sobre chassis o resultado positivo é reflexo da continuidade das obras urbanas, em especial do mercado imobiliário“, acrescentou.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br