20 de abril de 2024

CARGAS

O site dos transportes

Silvio Munhoz, diretor de vendas de soluções da Scania no Brasil

Scania: otimismo no Brasil

Marca comemora sucesso de três anos da Nova Geração e anuncia venda inédita de caminhões GNL no país. Para 2022, montadora sueca aponta que nos caminhões pesados, o agronegócio continuará como principal impulsionador da demanda

Em coletiva online com a imprensa, a Scania, no ano em que completará 65 anos de Brasil (dois de julho), mostra otimismo, mesmo que moderado, nos mercados em que atua no Brasil. Para os caminhões pesados, acredita a marca, o agronegócio continuará como principal impulsionador da demanda.

O setor de ônibus, em especial os rodoviários, permanece em recuperação após a pandemia. Nos motores há tendência de alta para o segmento industrial e de manter o mesmo patamar de 2021 nos propulsores de geração de energia, com aumento da procura por soluções a gás.

Já em serviços, um novo ano recorde nas vendas dos programas de manutenção Scania (PMS) e alta de 30% nos veículos conectados (70 mil). Nos serviços financeiros, o Scania Banco deverá representar metade das vendas da fabricante em 2022.

A evolução da agenda da sustentabilidade no setor de transportes segue em foco para a marca, que superou os 600 caminhões a gás comercializados, e acaba de anunciar a venda dos primeiros veículos movidos 100% a GNL (gás natural liquefeito) da história do Brasil para a Morada Logística.

Nas projeções 2022, a montadora acompanha a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que prevê crescimento de 10% no mercado total (incluindo caminhões e ônibus), de até 9% só nos caminhões e de 20% para os ônibus.

A Scania terá grandes desafios em 2022. O principal deles será sedimentar o terreno para a chegada das linhas de caminhões e ônibus com tecnologia para atender aos requisitos da fase P8 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), ou Euro 6, a partir de 1.º de janeiro de 2023. E quem está no comando do mercado brasileiro desde janeiro é Fábio Souza, o novo vice-presidente e diretor-geral das operações comerciais, que substituiu Roberto Barral, transferido para liderar a Scania na Europa meridional.

No ano passado também se iniciou o novo ciclo de investimentos no Brasil de R$ 1,4 bilhão até 2024. “Teremos em 2022, um dos períodos mais importantes da marca no país. Um dos presentes de aniversário de 65 anos é que o Brasil acaba de se tornar uma região independente dentro da estrutura comercial global da Scania. Ou seja, passamos a responder diretamente para a Suécia separadamente da América Latina. Teremos muito mais responsabilidades, o que nos motiva demais nesta gestão”, afirma Fábio Souza

“O meu principal desafio é continuar conduzindo a marca na liderança da transição para um setor de transporte mais sustentável e levando ótimos resultados aos clientes. Vamos avançar ainda mais nesta transformação ao lado da nossa competente rede de concessionárias”, completou.

Segundo Fábio, o mercado de caminhões ainda enfrentará alguns reflexos da pandemia, é ano de Eleições, a cadeia de fornecedores busca alternativas para se normalizar globalmente e haverá a preparação à P8.

“Um cenário de grandes desafios, mas de oportunidades e surpresas para os clientes, que terão total apoio da rede de concessionárias e das soluções financeiras do Scania Banco e do Consórcio”, diz Silvio Munhoz, diretor de vendas de soluções da Scania no Brasil.

“O agro continuará o maior comprador de caminhões pesados, embora haja desafios com a seca no Sul/Sudeste e chuvas excessivas no Nordeste (Bahia), que podem afetar o desempenho total da safra neste ano. Outros segmentos aquecidos serão e-commerce, cargas refrigeradas, cana, mineração e madeira”, salienta Munhoz.

“Por outro lado, continuamos com metas ousadas nos caminhões a gás. Já vendemos mais de 600 unidades. O interesse cresce a cada dia. Prova disso é que a Morada Logística adquiriu os cinco primeiros caminhões movidos 100% a GNL (gás natural liquefeito) do Brasil. Parabéns para a Morada pelo pioneirismo e visão mais sustentável, e por fazer parte de um seleto grupo de transportadoras que grava seu nome na história do transporte de cargas pelo propósito singular de tornar o planeta menos poluído e dependente do diesel”, acrescenta.

A Nova Geração de caminhões continua um sucesso absoluto com até 20% de economia de combustível sobre a gama anterior – a famosa Séries P, G e R –, e fortalecida pelo lançamento do Acelerador Inteligente, em 2021. “Já superamos as 40 mil unidades vendidas”, celebra Munhoz.

Nos ônibus, que continuam tendo o mais forte impacto negativo gerado pela pandemia, para 2022 há leve otimismo. De acordo com a Anfavea, a previsão é de alta próxima a 20% em comparação a 2021.

“As empresas ainda levarão um bom tempo para se recuperar. A retomada gradual de compras continuará ao longo do ano. Por outro lado, o mercado rodoviário continua seu processo de disrupção com novas formas de vendas de passagens, aplicativos e digitalização”, comenta Celso Mendonça, gerente de vendas de soluções de mobilidade e potência da Scania no Brasil.

“Estamos animados com a chegada, em breve, da linha de chassis Euro 6, ainda mais econômica e que trará soluções para oferecer um custo total de operação imbatível. Os Serviços Financeiros da Scania, Banco e Consórcio, continuarão dando todo o apoio de crédito ao cliente”, conta Celso.

Em serviços, o diretor Marcelo Montanha acredita em novo ano recorde com crescimento de 29% nas vendas dos programas de manutenção Scania (PMS) e de 27% no portfólio (carteira de planos ativos).

“Para 2022, as duas principais metas serão superar o exercício passado, o melhor ano da história de Serviços em muitos indicadores, garantindo ainda mais disponibilidade e atendimento rápido nas Casas Scania, e de preparar a ede para a chegada da linha P8, ou Euro 6. Teremos novidades para seguir somando valor ao cliente e na fidelização da carteira”, revela.

“Pretendemos também chegar a 70 mil veículos conectados (alta superior a 30%), inaugurar 15 pontos de atendimento, continuar a padronização e digitalização da rede, subir a participação de planos de manutenção nos veículos novos de 55% para 65%, sendo 70% deste total de programas flexíveis. Vamos suportar a rede para estar ainda mais ao lado dos clientes”, relata Marcelo.

Ele ainda avalia que em 2021 houve mais maturação das modalidades de serviços. “O período de pandemia levou os clientes a refletir qual o tipo de gestão querem para obter máxima disponibilidade da frota. Nossas soluções têm sido muito bem aceitas, especialmente pelo lançamento do programa de manutenção Scania Premium Flexível Uptime. Com o Via Control Tower, união de conectividade e inteligência de gestão, foi possível aumentar em até 30% o tempo de veículos disponíveis para o transporte. Atraímos e fidelizamos mais clientes para nossas oficinas. O ganho superior é comprovado”.

Já na área de motores industriais, marítimos e para geração de energia as perspectivas 2022 são de pequena alta nas vendas, e de manter a carteira forte e a liderança nos segmentos de atuação.

“Acreditamos num mercado de geração de energia nos mesmos níveis do ano passado. Após a crise hídrica de 2021, ao término deste primeiro trimestre teremos uma visão consolidada dos volumes pluviométricos e respectivos impactos nos reservatórios, porém a estabilidade energética dependerá das usinas termoelétricas associada à busca por combustíveis alternativos. A Scania se prepara para este cenário oferecendo, além da linha a diesel com baixo consumo de combustível, o portfólio a biogás e gás natural”, explica Celso Mendonça.

“Na área industrial a projeção será de leve tendência de alta, principalmente no ramo agrícola. Graças ao avanço da vacinação da Covid-19, os transportes marítimos de pessoas e cargas estão voltando gradativamente. Dessa forma, cremos no retorno do segmento de linhas de trabalho ao mesmo patamar pré-pandêmico. Outro destaque está na percepção crescente, principalmente das usinas termoelétricas, pelas soluções completas Scania, da preocupação com o motor durante todo o ciclo de utilização, por meio das peças genuínas e/ou serviços especializados das concessionárias”, conclui Mendonça.

Caminhões

O ano de 2022 marcará a apresentação dos veículos com tecnologia para atender aos requisitos da fase P8 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), ou Euro 6, que entrará em vigor em 1.º de janeiro de 2023.

A Scania se prepara algum tempo nas adaptações na fábrica e acelera os processos de homologações de produtos. Do ponto de vista do mercado de caminhões, no especial período em que vai comemorar 65 anos de Brasil e três da Nova Geração, a fabricante acredita num otimismo moderado e continua animada com o desempenho dos caminhões movidos a biometano.

“Os 65 anos de Brasil trazem memórias de linhas históricas de caminhões oferecidos no maior mercado da Scania no mundo. A força do passado e a confiança atual de ofertar a melhor solução de transporte nos projetam um futuro ainda mais promissor, com a nova linha P8, ou Euro 6, e a liderança na transição para um sistema de transporte mais sustentável”, afirma Silvio Munhoz.

“Com a introdução da gama P8, teremos novidadesde soluções de produtos e serviços para continuarmosa oferecer a maior rentabilidade por meio do menor custo total da operação (via grande redução de consumo de combustível e de gastos de manutenção), além de superior disponibilidade e, consequentemente, proporcionando o aumento do faturamento do cliente”, completa.

Ainda de acordo com o executivo, o mercado de caminhões vem passando pelos anos de pandemia com quantidades expressivas de vendas. Em 2021, a Scania teve um volume consistente e ganhamos quatro pontos percentuais de participação.

“Neste momento, continuamos enfrentando, junto com toda a indústria automobilística, a instabilidade global da cadeia de fornecedores, especialmente a falta de semicondutores, e produzindo e entregando o máximo possível de caminhões. Um cenário que deve se normalizar em 2023”, revela.

“Sabemos que os clientes estão tendo dificuldades no dia a dia da operação, mas permanecemos focados e incansáveis na busca de alternativas. Está no DNA da Scania e da nossa rede de concessionárias o forte relacionamento de parceria com os clientes, principalmente nas situações mais críticas de mercado. Seguiremos firmes todos juntos”.

Números

De acordo com a Anfavea, no ano passado o mercado total de caminhões vendeu 128.700 unidades, alta de 43,5% sobre as 89.700 unidades de 2020. Nos pesados, foram 66.144 modelos ante os 44.293 de 2020, acréscimo de 49,3%. Já a Scania, na categoria dos pesados, emplacou 15.702 unidades, crescimento de 80,7% – quase o dobro das 8.690 de 2020. Houve aumento de quatro pontos percentuais na participação (de 19,6% para 23,6%). Com o volume, a fabricante superou as 40 mil unidades vendidas da Nova Geração. 

No ranking 2021 da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) dos 10 caminhões  mais emplacados figuram três caminhões Scania.

O R 450 vem crescendo ano a ano na missão de substituir o R 440, o mais vendido da história da marca. Em 2021, reassumiu a vice-liderança nos pesados com 6.772 unidades emplacadas – quase o dobro das 3.576 de 2020 – e 10% de participação, seu melhor desempenho desde a chegada em 2019. Foi o segundo caminhão mais vendido da indústria.

Já o R 540, vem subindo no ranking de forma madura. Em 2020, havia vendido perto de  mil unidades. Mas em 2021, devido a melhorias na versão 6×4, triplicou seus emplacamentos com 3.501 modelos. O terceiro Scania da lista é o R 500 (1.898 unidades), que se mantém entre os 10 mais desde a sua chegada em 2019.

GNL

A Scania e a Morada Logística entram para a história ao comunicar a primeira venda de caminhões movidos a GNL (gás natural liquefeito) do Brasil. A Morada é uma operadora logística com 60 anos de atuação, ampla experiência em transporte de cargas dedicadas e focada em ter uma frota mais sustentável.

Foram cinco unidades compradas da Scania com programação de entrega ao longo de 2022. O início das atividades será já a partir deste mês de fevereiro numa rota dedicada no interior de São Paulo. A Morada comprova ainda mais sua vocação para a sustentabilidade com a aquisição de outros 25 caminhões Scania para abastecer com gás (natural e/ou biometano).

“Demos mais um passo histórico, desta vez com a Morada Logística. A Scania assumiu com muita responsabilidade o desafio de liderar a transição para um sistema de transporte mais sustentável. A primeira venda de caminhões movidos a GNL mostra o amadurecimento da Morada na preocupação com a sustentabilidade e a visão de futuro, baseada em viabilidade de dados concretos, escolhendo uma solução que trará muitos benefícios para sua operação”, afirma Silvio Munhoz

 “Parabéns para a Morada pelo pioneirismo e visão mais sustentável, e por fazer parte de um seleto grupo de transportadoras que grava seu nome na história do transporte de cargas pelo propósito singular de tornar o planeta menos poluído e dependente do diesel”.

“Com mais de 500 equipamentos próprios e 60 milhões de quilômetros rodados por ano, entendemos a nossa responsabilidade e queremos contribuir com a sustentabilidade do transporte rodoviário de cargas. Investir em veículos menos poluentes está entre as nossas apostas de negócio”, explica André Leopoldo, CEO da Morada Logística.

No início de 2019, a Morada foi a primeira empresa a testar os caminhões Scania movidos a gás. De lá para cá, foram mais de 400 mil km rodados entre o interior de São Paulo e Santos, que ajudaram a validar os equipamentos, que hoje fazem parte da frota da companhia.

O modelo escolhido para compor a nova frota de 30 unidades é o R 410 6×2, com carreta três eixos espaçados. Além dos equipamentos movidos a gás, a empresa também investiu recentemente na aquisição de caminhões elétricos, que hoje atuam em Campinas nas operações de carga fracionada.

“Operar com equipamentos que utilizam combustíveis alternativos faz parte da estratégia da empresa em oferecer soluções mais completas aos nossos clientes. Atendemos grandes embarcadores, cuja preocupação com políticas ESG (Environmental, Social and Governance) tem aumentado nos últimos anos. Dividir essa responsabilidade é parte importante de nossa parceria”, aponta o CEO da Morada.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br