27 de maio de 2024

CARGAS

O site dos transportes

A força dos implementos

Volume de emplacamentos no terceiro trimestre chega a 44 mil unidades. Em três trimestres de desempenho somente o primeiro ficou abaixo de 40 mil produtos comercializados ao mercado interno

O terceiro trimestre do ano registrou 44.132 implementos rodoviários emplacados. O volume é superior aos demais trimestres de 2021. No segundo, a indústria entregou 40.785 produtos, enquanto no primeiro foram 35.883 unidades.

“Essa curva crescente mostra como nosso setor está aproveitando todas as oportunidades que surgem para ampliar sua recuperação”, diz José Carlos Spricigo, presidente da Anfir – Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários.

Com relação ao mesmo período do ano passado – julho, agosto e setembro – o desempenho ficou 22% acima daquele resultado. No terceiro trimestre de 2020 a indústria entregou ao mercado 36.049 unidades.

“Estávamos dando os primeiros passos da recuperação, ainda em meio aos efeitos da redução nas atividades comerciais, e nosso esforço resultou zero perdas no volume de emplacamentos com relação a 2019”, recorda o presidente da Anfir.

De janeiro a setembro a indústria de implementos rodoviários comercializou 120.930 produtos. Desse total, 68.274 unidades foram de reboques e semirreboques (pesado) e 52.656 foram de carroceria sobre chassis (leve). Em comparação com o mesmo período de 2020, o crescimento registrado foi de 41,96%.

No segmento pesado os destaques são a basculante, graneleiro/carga seca e dollye baú carga geral, que juntos representam 49.021 unidades. No setor leve, as linhas que se destacam são alumínio/frigorífico, graneleiro/carga seca e basculante, que juntas respondem por 41.116 produtos.

“Mais de dois terços de nossas vendas estão concentradas em produtos com aplicação no transporte da produção do agronegócio. A exceção é o baú carga geral, que tem perfil multitarefa”, diz Spricigo. Ainda conforme o executivo, a basculante tem sido utilizada no transporte da safra.

Vale ressaltar que o mês de setembro sofreu uma queda causada por razões externas ao mercado. A paralisação das atividades, ocorrida na semana de sete de setembro, resultou em quatro dias sem entrega de produtos, em sua maioria do segmento pesado.

“Isso impediu provavelmente um volume de entrega na faixa de 1,2 mil reboques e semirreboques e 600 carroceria sobre chassis, o que devemos recuperar no mês de outubro”, explica o presidente da Anfir.

Assim setembro de 2021, que registrou o emplacamento de 6.829 unidades pesadas, poderia ter chegado a oito mil produtos distribuídos, enquanto no segmento leve o total teria sido de 7,4 mil produtos.

Bruno Castilho

bruno@cargasetransportes.com.br